Home»Destaque na Home»Acusado de matar o sogro confessa crime

Acusado de matar o sogro confessa crime

Gustavo Cussolim se apresentou à polícia na segunda-feira (8) e vai responder por homicídio em liberdade

0
Shares
Pinterest WhatsApp

O acusado de ser o autor do homicídio do motorista Reinaldo Donizetti de Oliveira Sousa, de 52 anos, que morreu na madrugada do último sábado (6) após ser atropelado e esfaqueado enquanto realizava uma entrega de trabalho, se apresentou a polícia na tarde da última segunda-feira (8). Gustavo Cussolim é genro da vítima e foi até a Central de Polícia Judiciária (CPJ) prestar depoimento ao delegado titular Alessandro Serrano Morcillo. Ele chegou ao local acompanhado de um advogado e entrou pelos fundos do prédio. Morcillo informou à Gazeta que o acusado confessou o crime e explicou por qual motivação matou o sogro. No entanto, o delegado não quis informar o que Cussolim disse em sua versão.

Após ser ouvido, o autor confesso do homicídio foi liberado e irá responder em liberdade pelo crime de homicídio qualificado, já que não deu chances de defesa à vítima, o que pode aumentar ainda mais a sua pena, que pode variar de 12 a 30 anos de prisão. O delegado ainda esclareceu que o autor do crime responderá em liberdade porque ele fugiu do flagrante e que um inquérito policial foi instaurado para apurar o caso. O prazo para as investigações da Polícia Civil serem encerradas é de 30 dias. Após isto, o inquérito policial será encaminhado para a Vara Criminal de Mogi Guaçu. Morcillo também informou que, em tese, o autor deve ser julgado em um júri popular e já é portador de prontuário criminal, ou seja, tem passagem pela polícia.

 

MOTIVAÇÃO

No dia do crime, Reinaldo Donizetti de Oliveira Sousa, que trabalhava como motorista de um supermercado da cidade, estava fazendo uma entrega na Rua José Cristino de Oliveira Campos, no Jardim Selma, e assim que desceu do caminhão da empresa foi atropelado pelo condutor de um Chevrolet/Corsa hatch preto que voltou em seguida e o golpeou com uma faca. No Boletim de Ocorrência da Guarda Civil Municipal, uma testemunha que viu a cena relata que o agressor dizia a Sousa que ele tinha estuprado a própria filha. Além disso, informações extraoficiais dão conta de que, recentemente, a filha de Sousa tinha registrado um Boletim de Ocorrência contra o pai pelos abusos sofridos há tempos.

 

Previous post

Corpus Christi: Padres fazem a benção do santíssimo

Next post

Mogi Guaçu tem oito mortes por coronavírus