Home»Cidade»Após paralisação do transporte, Prefeitura convoca reunião

Após paralisação do transporte, Prefeitura convoca reunião

Linhas de ônibus pararam por duas horas na última quinta-feira (19) porque sanitários de motoristas foram fechados

0
Shares
Pinterest WhatsApp

As diretorias da Feag (Federação das Entidades Assistenciais Guaçuanas) e da Viação Santa Cruz foram chamadas para reunião com os secretários municipais de Obras e Viação, Salvador Franceli, e de Negócios Jurídicos, Fábio Bueno. O encontro foi marcado para segunda-feira (23), às 16 horas, na SOV. Isto porque, na última quinta-feira (19), o transporte público foi paralisado por duas horas por causa do fechamento dos sanitários destinados aos motoristas e cobradores.

A situação é decorrente da discussão de contrato entre a Viação Santa Cruz e a Feag, através da empresa contratada para a administração do Terminal Rodoviário Urbano do Parque dos Ingás. Essa não foi a primeira vez que os ônibus foram paralisados por causa desta questão. Anteriormente, os motoristas e cobradores reivindicavam a construção de sanitários para a categoria, porque os existentes no terminal fechavam às 18 horas.

Salvador ficou irritado com situação
Salvador ficou irritado com situação

“Não vou ficar a mercê deste povo. Sou o responsável pelo transporte público na cidade e a população não pode ser prejudicada por uma briga”, argumentou Salvador. Ele disse que conseguiu contato com a diretoria da Feag, que detém a concessão do terminal, e reivindicou a reabertura dos sanitários, o que foi feito ainda na tarde de quinta-feira (19). Afinal, o Sindicato dos Condutores previa outras paralisações até que a situação fosse resolvida.

A paralisação de quinta-feira aconteceu das 15h10 às 17h10 e, mais uma vez, o presidente do Sindicato, Gessy Alves de Oliveira, deixou clara a insatisfação da categoria com a situação. “Isto é uma palhaçada, uma falta de respeito com a categoria”, avaliou. Acompanhado de outros sindicalistas, através de carro de som, o motivo da paralisação era comunicado aos usuários do transporte público. Para Gessy, a categoria está sendo usada em uma briga que envolve os responsáveis pelo terminal.

Quem sofreu com a paralisação das 36 linhas de ônibus foram os usuários pegos de surpresa pela manifestação. “Faço salgado e tenho encomenda para entregar às 7 horas da noite. Como vou fazer para chegar na minha casa?”, questionava Joana da Costa Machado dos Santos, moradora no Jardim Santa Marta. O aposentado José Pevigo, residente no Itacolomy II, desistiu da espera e resolveu seguir a pé para casa. “Faz quase uma hora que estou esperando”, disse.

 Paralização Ônibus Viação Santa Cruz Terminal Ingás

CIA DO IMÓVEL

De acordo com a advogada da empresa contratada pela Feag para administração do terminal, Solange Machado, desde junho foi apresentado o contrato de locação do box destinado aos banheiros à Viação Santa Cruz. E as cláusulas estavam aprovadas.

Com isto, o espaço foi alugado pela empresa que teria desconto mensal de R$ 1 mil no decorrer de um ano por arcar com a construção dos sanitários. “Uma das cláusulas trazia que as ações de ambas as partes seriam extintas”, detalhou Solange. Isto porque, a Viação Santa Cruz move ação contra a Feag por conta dos problemas apresentados no telhado do terminal.

Segundo a advogada, o contrato foi enviado em PDF à Viação Santa Cruz que não concordou com a cláusula. “Alteraram o contrato e nos mandaram assinado, juntamente com os cheques de quatro meses do aluguel, mas não aceitamos”, detalha. Desta forma, a empresa foi informada de que o contrato não seria aceito.

Na segunda-feira (16), a Viação Santa Cruz foi notificada de que teria de entregar o box em 24 horas. Como não o fez, o espaço foi retomado pela Feag, ocasionando o fechamento dos sanitários.

BanheiroTerminal Ingás

EMPRESA

De acordo com o coordenador de operações de transporte da Viação Santa Cruz, Valdemir Valentim Lovo, as tratativas relacionadas ao contrato do box em que foi construído os sanitários estão em via judicial, portanto, aguardando posicionamento do juiz. Quanto à colocação de que o contrato foi alterado, ele frisa que é uma versão da advogada e que também foi apresentada à empresa. “O contrato traz cláusulas com as quais a empresa não concorda”, observa. Lovo espera que na próxima semana esta questão avance, pois também haverá a reunião com o secretário de Obras e Viação.

Paralização Ônibus Viação Santa Cruz Terminal Ingás

Previous post

Guaçuanos participam de competição em Natal

Next post

Mariangela Zan canta Inezita Barroso