Home»Artigos»Artigo: Bolsonaro – Governo frágil

Artigo: Bolsonaro – Governo frágil

0
Shares
Pinterest WhatsApp

Em um ano, o governo Bolsonaro é, por enquanto, frágil. Nesse período tão curto já demitiu cinco ministros, o que fragiliza sua Administração. O Estadão (7/2) noticiou: “Rogério Marinho assume ministério do “Minha Casa” – Em ano eleitoral, Bolsonaro troca comando do Ministério do Desenvolvimento Regional”. Além desse troca-troca, o presidente comete gafes, que Eliane Cantanhêde denomina: “Bolsonarices”, comentando: “Numa semana em que o governo agiu bem e rápido em relação ao coronavírus. Bolsonaro preferiu ser pródigo em bolsonarices e atacou novamente na área sensível internacionalmente: Meio Ambiente”. Adiante a jornalista diz: “Diante de tudo isso, as bobagens (sic) que o presidente disse ficam em segundo plano, apesar de não serem só “bobagens”: “pessoa com aids é despesa para todos no Brasil”; “se puder, um dia, confino os ambilentalistas na Amazônia”; “eu sou imbroxável (sic)”. Constrangedor”. Muito constrangedor!

Na “Coluna do Estadão” essa notícia: “Conselho. Após a mais recente série de declarações desastrosas de Jair Bolsonaro, um general do alto comando acha que o presidente precisa parar de atravessar a rua somente para escorregar na casca de banana”. Sem comentário!         Outra notícia do Estadão causou surpresa: “Sob pressão, Onix demite mais 2 auxiliares – Casa Civil já contabiliza quatro baixas em uma semana, ministro fala em reestruturar pasta e deve anunciar mais mudanças”. Também, sem comentário!

Outra que surpreendeu foi Regina Duarte. O Caderno 2 do Estadão noticiou: “Número 2 de Regina Duarte é demitida – Política Cultural. Janícia Silva, conhecida como pastora (sic) Jane, estava provisoriamente à frente da Secretaria Especial da Cultura”. Regina Duarte justificou a demissão: “Reverenda queria mandar demais na pasta”.

Carlos Pereira, em artigo no Estadão aconselha o presidente: “Bolsonaro, governe enquanto há tempo”. Também acho!  Em Tempo: Já estava escrito este artigo, quando Bolsonaro convidou o Chefe do Estado Maior do Exército, general Walter Braga Neto para ser ministro-chefe da Casa Civil. Onix Lorenzine deve ir para o Ministério da Cidadania, na vaga de Osmar Terra, que deverá voltar ao Congresso (é deputado federal) ou será nomeado embaixador. Que mexida!

 

Jasson de Oliveira Andrade é jornalista em Mogi Guaçu

Previous post

Transporte: Tarifa sobe para R$ 4,80 a partir de 5ª

Next post

Carnaval: Brasil celebra festa mais esperada do ano