Home»Artigos»Artigo: O “novo” normal

Artigo: O “novo” normal

0
Shares
Pinterest WhatsApp

Passados os primeiros impactos da pandemia, vimos as pessoas se perguntarem quando a vida voltaria ao normal? Mas o que será normal depois dessa grave pandemia cujo vírus está onde nós menos esperamos? Como voltar ao normal se muitos estão brincando com a realidade como se nada houvesse na face da terra? Como voltar ao normal se nem o mínimo de higiene as pessoas levam a sério… Triste mesmo é a indiferença de pessoas que têm a responsabilidade de cuidar para que o povo viva ou tenha melhores condições para viver com dignidade e respeito. Triste é o descaso quando escuto alguém dizer que “muita gente morre”, ou “todos vão morrer um dia” sem tomar o mínimo de atitude para que nenhuma pessoa morra antes da hora, não sofra morte violenta e nem fruto do descaso das autoridades de um país “abençoado por Deus”, como se diz.

Novo normal, a partir de agora, será obrigatoriamente o respeito pelos nossos semelhantes, treinar a paciência para evitar aglomeração, carregar em nossos lindos rostos a nossa inseparável máscara como item da nossa cesta básica de primeiros socorros; a higienização das mãos que não podem ao mesmo tempo tocar em dinheiro, cigarro ou jornal e pegar o alimento ou servir alguém! Aquele beijinho que antes se dava aos montes, mesmo que alguns parecessem “beijo técnico”, não deverão mais ser dados; não mais nos cumprimentaremos com o “aperto de mãos”, gesto interessante e com alto poder de contágio; em seu lugar entra um aceno de cabeça ou um sorriso que mostra mais nosso estado de espírito, embeleza a paisagem e deixa o ambiente mais agradável.

Teremos pela frente um longo caminho a percorrer, para revitalizar nossa convivência e, apesar das incertezas, precisaremos lutar contra os preconceitos pois os outros não são “perigo”, deveremos nos lembrar que somos realmente iguais, carregamos os mesmos temores, fraquezas e medos. Creio que deveremos reaprender o que significa “cuidado” conosco, com o mundo, com os outros, com “tudo o que vive e respira”. E o primeiro cuidado é o de não rotular ninguém! E se quisermos tempos bons, tempos de mais segurança e tranquilidade, deveremos nos “converter” ao “bem” que seja bem e bom para todos e aqui se inclui uma nova ascese ou penitência que se traduz nas “medidas higiênicas” que se tornarão item de primeira linha em nossa conduta e não mera convenção social. Água e sabão são agora com no passado “prudência e caldo de galinha” que sempre fizeram bem.

Creio que todos poderemos nos assumir como aprendizes que ainda não sabendo o bastante sobre tudo, nos deixamos iluminar pela santa Sabedoria que nos diz “tudo o que queremos que os outros nos façam, façamos nós para eles” (cf. Mt 7,12).

 

João Paulo Ferreira Ielo é pároco na Igreja Matriz Imaculada Conceição

 

Previous post

Vereador flagra alimentos vencidos em escolas

Next post

GCM adquire armas, coletes e spray de pimenta