Home»Destaque na Home»Caída em asfalto, égua é resgatada pela Zoonoses

Caída em asfalto, égua é resgatada pela Zoonoses

A égua foi resgatada com ferimentos e também estava exausta e passa por tratamento

0
Shares
Pinterest WhatsApp

Na tarde desta sexta-feira (28), o CCZ (Centro de Controle de Zoonoses) resgatou uma égua que estava caída no meio fio do asfalto na Avenida Honório Orlando Martini, no Jardim Novo II. De acordo com a coordenadora do CCZ, Silvana Munhoz Bueno, o animal apresenta diversas escoriações pelo corpo e miíase, que é uma infecção de pele causada por larvas de moscas. “O resgate dessa eguinha foi muito comovente, nunca vi tanta dor e tanto sofrimento em um único olhar”, relatou Silvana que ainda disse acreditar que o animal esteja apresentando fraqueza por exaustão. “Acredito ser um animal que foi muito usado e, por isso, ficou exausto”.

No entanto, a égua também pode estar com alguma doença, como a do carrapato, por exemplo. Já no CCZ, para onde foi levada, a égua foi medicada e está tomando soro para se hidratar. “Ela tomou bastante água e se alimentou bem pouco”, completou a coordenadora que disse que infelizmente, o animal não aguentou se manter em pé e caiu. “Ela está deitada e nós estamos cuidando dela”.

Neste sábado (29), Silvana espera que a égua responda bem ao tratamento. Com relação ao crime de maus-tratos, a coordenadora enfatizou que sempre fica revoltada diante de uma situação como esta. “São animais que são muito usados e depois abandonados. As pessoas não têm consciência de que eles não são máquinas”. No entanto, Silvana pontuou que muitos carroceiros tratam com respeito seus animais. O resgate não foi registrado na Polícia Civil porque o dono da égua é desconhecido.

Silvana pede que qualquer informação que ajude na identificação do responsável seja passada ao CCZ pelo telefone 3831-7421. Se a égua conseguir se recuperar, ela será colocada para adoção. Porém, com muitos critérios. “Não poderá mais ser usada para trabalho e precisará de espaço e cuidado”, finalizou Silvana.

Previous post

Editorial: É preciso aprimoramento

Next post

Exposição na Emia: Esse tal de Rock and Roll