Home»Destaque na Home»Carlos Kapa: “Há 14 anos que eu espero por melhorias”

Carlos Kapa: “Há 14 anos que eu espero por melhorias”

Vereador diz que castração dos animais é principal meta

1
Shares
Pinterest WhatsApp

A mudança em sua rotina foi brusca. Já foram apenas dois meses de seu 1º mandato e o vereador Luís Carlos Nogueira, o Carlos da Kapa (PSD), já sente o peso das preocupações em defender uma das causas mais visadas nos últimos anos: a defesa e proteção dos animais. Ele até admitiu que perde, sim, noites de sono pensando em projetos de lei em prol da causa ou, então, em como irá conseguir atitudes concretas da Prefeitura de Mogi Guaçu. “Porque é ela quem executa, não sou eu enquanto vereador. Isso me deixa preocupado. Acordo de madrugada e fico ‘martelando’ nesses pensamentos e não durmo mais”, disse Carlos.

Na tarde desta quarta-feira (22), quando ele concedeu entrevista à Gazeta em seu gabinete na Câmara, Carlos estava tenso porque ainda não havia conseguido marcar uma reunião com o prefeito Walter Caveanha (PTB). “Ele está para São Paulo, segundo fui informado”, contou o vereador que há algumas semanas está tentando falar com o prefeito pessoalmente sobre a situação – que ele considera crítica – do Centro de Zoonoses de Mogi Guaçu.

Para esta reunião com Caveanha, Carlos também irá levar um dos veterinários que atende em Conchal – onde o município tem três veterinários atuando. “Esse veterinário se dispôs a vir até Mogi Guaçu para explicar ao prefeito como é feito o procedimento de castração dos animais em Conchal. Lá, ele e os demais colegas fazem 150 castrações por mês e ainda concedem a medicação gratuita. É feita uma triagem pela Prefeitura de Conchal e, a partir dela, os veterinários do município fazem o trabalho da castração”, explicou o vereador.

Carlos Kapa VereadorPara Carlos, enquanto o município não iniciar um trabalho de castração de animais na cidade o problema de animais abandonados pelas ruas e a superlotação deles não irão reduzir. “Mogi Guaçu é a única cidade na nossa região que não tem controle de animais. Isso é um absurdo! Não vamos parar de ver animais abandonados pelas ruas enquanto não tivermos uma ação efetiva de castração de cães e gatos. As ONGs (Organização Não Governamental), o Kapa e o Centro de Zoonoses não suportam mais. Os custos são muito altos. Precisamos o quanto antes controlar a superlotação de animais na nossa cidade”, reivindicou o vereador.

Durante a entrevista, ele lamentou que o Residencial Ypê Amarelo esteja tornando-se um lugar de ‘desova’ de cães e gatos que são abandonados pelos seus donos. “Eu estive lá no bairro, conversei com os moradores e vi a situação de perto. O problema é que moradores de outros bairros estão indo até ao Ypê Amarelo abandonar seus próprios animais dando a impressão de que os moradores desse novo bairro é que estão fazendo isso.  

E não são eles. Em dezembro eu fui ao Ypê Amarelo e retirei de lá 23 cachorros que estavam nos alojamentos dos trabalhadores”, contou Carlos.

Carlos no Ypê Amarelo
Carlos no Ypê Amarelo

Consciente de sua meta na Câmara, o vereador ressalta que os quatro anos de seu mandato serão destinados à causa em defesa e proteção dos animais, mesmo que tenha de esperar por muito tempo. “Há 14 anos que eu espero por melhorias e conquistas nesta causa tão nobre. Se precisar, eu espero mais um pouco. Mas, agora, eu posso cobrar com mais ênfase. Fiz uma campanha eleitoral temática e vou lutar por ela. Não é querer ser protetor dos animais. Eu já sou protetor deles. Foi por isso que fui eleito e estou vereador”, frisou.

Ele, inclusive, recorda de um convênio firmado entre a Kapa e a Prefeitura em 2013, no qual está determinada a castração gratuita de 40 animais por mês. “Mas isso ainda não saiu do papel porque falta a verba ser destinada para isso. Ou seja, o valor direcionado para as castrações está parado em algum lugar. Outro dilema que o Centro de Zoonoses enfrenta é a permanência de alguns profissionais por lá há mais de 15 anos. Isso tem de mudar. Tem de ter trocas. Precisamos de pessoas mais profissionais”, alfinetou Carlos Kapa.

CAUSA NOBRE
Carlos está há 15 anos no comando da Kapa Kamael

 Devoto de São Francisco de Assis – santo da Igreja Católica protetor dos animais – o vereador Carlos Kapa está há 15 anos à frente da Kapa Kamael – Associação Protetora dos Animais-, que faz um trabalho de resgate de animais abandonados e mantém um abrigo onde eles passam por tratamento, são castrados, recebem cuidados e seguem para adoção responsável. Atualmente, a Kapa atende 75 cães e 45 gatos.

Kapa
Kapa

Mas na casa de Carlos a situação é semelhante a do abrigo. Só na casa do vereador são 20 cachorros e nove gatos que são tratados como todo carinho, dedicação e respeito. “Aqui, na Câmara, minha assessora faz minha agenda com horários apenas no período da tarde, porque de manhã tem de tratar de todos os animais lá de casa, primeiro”, contou.

Quando ainda era adolescente, por volta dos 15 anos, Carlos morava em São Paulo e teve sua primeira cachorrinha – a Lili – com quem ficou dois anos até que ela foi atropelada por um caminhão. “Imagine eu tendo de ir pegá-la do chão? Foi horrível”, recorda.

Mais tarde, por volta dos 30 anos, Carlos conheceu a Lei Universal de Proteção Animal e se apaixonou pela causa, sem imaginar os rumos que sua dedicação aos animais iria levá-lo. “Minha irmã mais velha me sugeriu que eu procurasse uma fábrica de ração e pedisse à gerência para que publicassem aquela lei universal nas embalagens. A partir daí, dei início a esta causa que, hoje, me rendeu até o mandato de vereador e estou aqui para defendê-la”, reforçou Carlos.

Mesmo diante das dificuldades de defender a proteção dos animais, até porque ele faz parte da bancada de oposição ao Governo Municipal, o vereador afirmou que se sente aliviado por perceber que o prefeito Walter Caveanha (PTB) também está engajado nesta mesma causa e concorda com a importância da castração dos animais abandonados, principalmente. “Mas eu preciso conseguir conversar com ele. Ainda estou esperando”, finalizou Carlos Kapa. 

Previous post

Audiência pública da Saúde teve tom didático

Next post

Thomaz: “Quero minha própria identidade política”