Home»Cidade»Dengue coloca cidades em alerta

Dengue coloca cidades em alerta

Mogi Guaçu e Mogi Mirim confirmaram mais de 140 casos da doença nas primeira semanas de janeiro

0
Shares
Pinterest WhatsApp

Para este ano, o Ministério da Saúde estima que o surto da dengue possa atingir 11 Estados do Brasil. Segundo os dados apresentados, 2019 teve um aumento de 488% em relação a 2018, sendo registrados 1.544.987 casos da doença em 2019, com 782 mortes. Os Estados mais afetados foram São Paulo, Minas Gerais e Goiás.

E os números divulgados pelas Prefeituras de Mogi Guaçu e de Mogi Mirim já deixam os municípios em alerta, pois a transmissão não foi interrompida e os casos confirmados não param de aumentar. Em Mogi Guaçu, a Vigilância Sanitária divulgou nesta quinta-feira (23) o relatório de casos de dengue de 2020. Desde o início de janeiro foram 81 notificações com 33 casos confirmados e nove ainda aguardando os resultados. “Não interrompeu a transmissão, mas no ano passado estavam sendo confirmados casos isolados por semana e, agora, as confirmações já são diárias e já acende todos os alertas”, comentou Cristiana Folcheti Monteiro Ferraz, coordenara do Pecd (Programa de Epidemiologia e Controle de Doenças) da Secretaria Municipal de Saúde.

Em Mogi Mirim, balanço semanal divulgado pela Vigilância em Saúde aponta que a cidade registrou 108 casos positivos da doença e outras 485 notificações, de 1º de janeiro até a quinta-feira.  O município já realizou seu primeiro mutirão no sábado (18), quando os bairros da Zona Norte foram visitados. A região continua sendo a que tem o maior número de casos confirmados: 83. O trabalho consiste na vistoria de residências e no auxílio aos moradores no que diz respeito a medidas adequadas no descarte de resíduos e orientações, com foco na eliminação de criadouros do mosquito Aedes aegypti.

Em Mogi Guaçu, Cristiana comentou que o trabalho de vistoria dos imóveis continua sendo feito e pede que a população redobre a atenção, principalmente nesta época do ano por conta das altas temperaturas e maior quantidade de chuvas, que propicia a proliferação do mosquito da dengue. “Na primeira semana de janeiro foram 9 casos confirmados da doença, sendo o triplo do que foi registrado no mesmo período no ano passado e isso nos preocupa, sim. A população deve ficar atenta e redobrar os cuidados e vistoriar os ralos, o quintal e tudo o que possa contribuir com a transmissão”, salientou.

A coordenadora contou que aguarda o envio pelo Governo Federal do inseticida usado para fazer o fumacê para a retomada dos trabalhos nos bairros. “Existe aí uma previsão de que o veneno seja enviado no final de janeiro e início de fevereiro e estamos aguardando para a retomada do fumacê nos bairros”, informou Cristiana que lembrou que o trabalho precisou ser interrompido em abril do ano passado por conta do não envio do produto pelo Ministério da Saúde.

No ano passado, diversas cidades suspenderam os serviços de nebulização devido ao desabastecimento do estoque nacional do insumo, que é fornecido pelo Governo Federal. “Em outubro e novembro tivemos o serviço de termonebulização, mas o contrato feito com a empresa acabou, pois foram dois meses e, agora, aguardamos o envio do inseticida.

 

Mogi Mirim

A Secretaria de Saúde de Mogi Mirim informou que vem realizando, mês a mês, constantes ações no sentido de conter o avanço do mosquito e conscientizar a sociedade sobre a importância do trabalho conjunto contra o mosquito. Medidas preventivas, como a limpeza de ralos, checagem de vasos e conservação de pneus, não permitindo o acúmulo de água parada, são importantes no combate à doença. Além disso, outros mutirões serão realizados.

 

Previous post

Editorial: Paradoxo do transporte público

Next post

Piloto guaçuano inicia temporada em prova do Circuito Paulista