Home»Editorial»Editorial: Nova fase, nova rotina

Editorial: Nova fase, nova rotina

0
Shares
Pinterest WhatsApp

Desde o início da quarentena no Estado de São Paulo, em março, a rotina mudou por conta da série de restrições impostas pela pandemia. Somado a isso, o medo e o aumento indiscriminado dos casos positivos da Covid-19 nas cidades do interior, assim como o número de óbitos alarmante. Nesta sexta-feira (7), o governador João Doria (PSDB) anunciou a 10ª atualização do Plano São Paulo de enfrentamento ao coronavírus e reabertura gradual e faseada da economia. A quarentena foi prorrogada até o dia 23 de agosto.

Nove áreas de DRSs (Departamentos Regionais de Saúde) progrediram de fase e estão, agora, na etapa amarela, menos restritiva em relação às atividades econômicas e à mobilidade social. São elas: Araçatuba, Bauru, Campinas, Marília, Piracicaba, Ribeirão Preto, São João da Boa Vista, Sorocaba e Taubaté. A medida passa a valer a partir deste sábado (8), excepcionalmente. Na Fase Amarela do Plano São Paulo o comércio poderá funcionar por seis horas diárias e aumentar a capacidade de atendimento de 20% para 40%. Academias, bares e restaurantes e salões de beleza estão autorizados a abrir, seguindo as normas sanitárias, a partir de deste sábado, véspera do Dia dos Pais. Aos municípios, cabem a publicação de decretos para regulamentar o funcionamento dos segmentos e também a fiscalização, para que os protocolos de higiene e segurança sejam cumpridos.

A Associação Comercial e Industrial de Mogi Guaçu, lojistas e empresários receberam aliviados a notícia de que a cidade avançou para a Fase Amarela do Plano São Paulo, o que permite a ampliação do horário de atendimento e da capacidade de público no comércio e a reabertura, após mais de quatro meses, dos estabelecimentos de serviços como academias, bares, restaurantes e salões de beleza. A retomada mais ampla dos setores de varejo e de serviços, nessa fase de flexibilização, aquecerá a economia regional e será crucial para a manutenção dos empregos este ano. Além do Natal, que é melhor data de vendas para o comércio, o calendário ainda conta com o Dia dos Pais, neste domingo (9), a Semana do Brasil, em setembro, o Dia das Crianças, em outubro, e a Black Friday, em novembro e acreditam ser possível ‘salvar’ o faturamento do setor no segundo semestre.

O comércio parece estar consciente sobre a importância dos protocolos recomendados pelas autoridades sanitárias e preparado para garantir a segurança de clientes, funcionários e fornecedores. Com o comprometimento de todos, será mais fácil encerrar 2020 em um patamar de vendas próximo ao apresentado no período pré-pandemia. Por outro lado, o público em geral não pode esquecer que a quarentena continua, assim como a transmissão do coronavírus. Por isso, qualquer falsa sensação de alívio da pandemia pode comprometer os resultados conquistados até o momento.

Enquanto não houver uma diminuição no número de casos, é fundamental que as pessoas prezem pelo distanciamento social, só saiam de casa se realmente houver necessidade e, quando houver, não levem a família inteira, principalmente crianças, idosos e demais grupos de risco. Nesse momento, é necessário agir com consciência em prol da economia e, ainda mais importante, da saúde pública.

Previous post

Oposição promete denunciar investimento ao MP

Next post

Covid-19: Mogi vai testar moradores da Zona Norte