Home»Destaque na Home»Golpe: guaçuanos estão entre as vítimas

Golpe: guaçuanos estão entre as vítimas

Caso está sendo investigado pela Polícia Civil; vítimas ficaram no prejuízo após fazerem depósitos bancários ao clube

0
Shares
Pinterest WhatsApp

Desde a última segunda-feira (16), a CPJ (Central de Polícia Judiciária) de Mogi Guaçu começou a registrar Boletins de Ocorrência contra o clube de investimento de Mogi Mirim Syngre Betclub, acusado de aplicar um golpe milionário em pessoas de diversas localidades do país. A polícia acredita em mais de 700 vítimas. O caso veio à tona no último dia 13, quando as primeiras vítimas procuraram a delegacia de polícia de Mogi Mirim para relatarem que fizeram depósitos bancários para o clube que prometia um rendimento de 30% a 50% de lucro sobre o valor investido.

Para se ter uma ideia, apenas uma das vítimas chegou a depositar R$ 750 mil na conta de Syngrewston Oliveira Lima, 32, que é dono do clube e tem como sócio Tony dos Santos Brito, que também tem 32 anos. Ainda de acordo com as vítimas, desde o último dia 9, os responsáveis pelos investimentos sumiram e não deram mais respostas. Além de procurarem a polícia, as vítimas também foram até a sede do clube na Avenida da Saudade, em Mogi. No entanto, a casa já estava vazia e ninguém foi encontrado no endereço.

Revoltadas, as pessoas chegaram a ir à casa dos pais de Lima, no Parque da Imprensa. Ainda assim, não descobriram o paradeiro dos sócios. Com a divulgação dos casos na cidade vizinha, moradores de Mogi Guaçu, que também fizeram investimento no Syngre Betclub e não tiveram o retorno prometido e muito menos o dinheiro que depositaram de volta, perceberam que tinham caído em um golpe e começaram a ir à delegacia para registrar seus Boletins de Ocorrência. Pelo menos quatro vítimas de Mogi Guaçu já confirmaram que fizeram depósitos bancários na conta de Lima.

Por enquanto, os valores perdidos variam de R$ 4 mil a R$ 40 mil. Agora, a Polícia Civil continua registrando B.O.s contra o clube e o caso está sendo investigado em Mogi Mirim, onde um inquérito policial foi aberto para apurar as acusações e para onde os casos de Mogi Guaçu começaram a ser encaminhados para o registro da ocorrência. Mogi Mirim já tem 40 Boletins de Ocorrência contra Lima e Tony. Estima-se que o prejuízo ultrapasse os R$ 25 milhões somando vítimas de Mogi Mirim, Mogi Guaçu, Estiva Gerbi, Americana e até mesmo de fora do Brasil.

Previous post

Posto de saúde do Centenário muda para o posto de saúde do BNH

Next post

Vítima transferiu R$ 40 mil que tinha ganho em causa trabalhista