Home»Caderno Multi»Idosos em casa: saúde física e mental em dia

Idosos em casa: saúde física e mental em dia

0
Shares
Pinterest WhatsApp

Os idosos estão no chamado grupo de risco do novo coronavírus que é mais propenso a ter complicações e até mesmo evoluir para óbito em caso de ser infectado pela doença. No entanto, convencer a terceira idade a ficar em casa não é uma tarefa tão simples assim. Isso porque, muitos deles são ativos e gostam de manter os seus hábitos como ir ao supermercado, ao banco, além das praças e grupos de atividades físicas.

Desde que o isolamento social foi determinado, a ordem é que o idoso fique em casa para preservar a sua vida. Em um momento tão delicado, a família de uma pessoa idosa se torna peça fundamental para ajudá-la a cumprir a quarentena e se manter ativa, inserindo em sua nova rotina atividades que vão manter o corpo e a mente saudáveis. Caso contrário, o idoso pode até mesmo adoecer se simplesmente ficar dentro de casa, mas inativo.

O geriatra Rafael Rondineli Ceregatti falou sobre a importância de entreter os idosos durante o período de isolamento. Além disso, a Gazeta também conversou com a sobrinha de uma aposentada de 82 anos que tem feito de tudo para manter a tia ativa e alegre durante o período crítico.

ISOLADA E ATIVA

Mudança de rotina sem deixar a qualidade de vida de lado

Antes de o isolamento social ser determinado, a aposentada Nair Bassani, 82, tinha o hábito de sair de casa quase todos os dias. Algumas das saídas eram para ir à padaria e ao mercado. Dona Nair também tinha compromisso com suas aulas de pilates que aconteciam duas vezes na semana. Além disso, ela sempre saia de casa para andar de carro com a sobrinha Mayara Machado de Meira, 34, que também acompanhava a tia nos passeios com os cachorros da família.

No entanto, assim como aconteceu com todos os brasileiros, principalmente com os idosos, a vida da aposentada teve que mudar em prol da luta contra o novo coronavírus. Graças à sobrinha Mayara, que mora com a tia, Dona Nair passou a ter uma rotina diferente, mas não com o tempo ocioso. Isso porque, a jovem tem feito várias atividades dentro de casa com o objetivo de manter Dona Nair com o corpo e a mente saudáveis. “Assim teremos o privilégio de tê-la conosco por mais tempo”, afirmou Mayara que contou que a primeira regra estabelecida para a tia foi a de ela não assistir as notícias sobre a Covid-19 para que ela tenha um isolamento social tranquilo. “O assunto ganhou grande proporção e eu acredito que isso pode assustar ela e deixar ela nervosa, podendo prejudicar o sono e alimentação, por exemplo,”, compartilhou a jovem.

Sem notícias ruins na televisão, Dona Nair gosta muito de ver as missas que são transmitidas. “Ela fica muito tranquila e entretida”, afirmou Mayara que ainda arrumou um jeito das duas se divertirem ao colocar na sala um vídeo game Xbox 360 com jogos de atividade física. “Ela ama jogar boliche no vídeo game, fica se achando porque faz strake toda hora”, disse a sobrinha que ainda tem compartilhado outras atividades com Dona Nair, como assistir e praticar aulas de dança semanalmente. “Coloco na televisão os vídeos do André Sastri e fazemos as aulas juntas”.

Solta do som

As lives, que estão rendendo grandes atrações ao público neste período de quarentena, também estão alegrando os dias de Mayara e Dona Nair. “Estamos vendo shows de sertanejos e minha tia toma até um aperol que é o seu drink favorito”. A sobrinha ainda tem colocado Dona Nair para ajudar na cozinha. “Como gosto de cozinhar tenho feito pratos que ela gosta e ela me ajuda no preparo, cortando os ingredientes e lavando a louça”.

As tarefas da casa e as horas de assistir as missas, shows e se divertir com jogos têm feito Dona Nair se sentir muito bem, apesar de não poder sair de casa. Para o bem-estar do corpo físico delas Mayara relatou que comprou uma bicicleta ergométrica para elas se exercitarem. Além disso, até a semana passada, elas estavam entrando na piscina. “Ela tem usado o aparelho nos dias em que não tem aula de pilates e nos dias que ela não quer jogar vídeo game”, explicou Mayara que ainda completou que a tia ama brincar com os cachorros da casa. “A companhia deles também tem feito muito bem para ela”.

Com a nova rotina, a aposentada está calma e ciente da importância do isolamento social.  “O legal é que as irmãs dela e outras sobrinhas e sobrinhos ligam às vezes apavorados de preocupação e ela sempre os tranquiliza dizendo que tudo vai passar e que é para eles pararem de ficar vendo todas as notícias ruins”, compartilhou a jovem que ainda disse que tem saído de casa quando necessário, mas sempre que retorna deixa as roupas no varal, limpa as solas dos sapatos com água sanitária e normalmente já vai tomar um banho, sem contar a lavagem das mãos e o uso do álcool em gel.

Mayara finalizou dizendo que a pandemia vai deixar muitas lições. “Com certeza vamos sair desta crise sendo pessoas melhores, pois vamos valorizar ainda mais a companhia das pessoas que amamos”.

NÃO FIQUE PARADO

Geriatra explica importância de idosos se exercitarem

Sendo do grupo de risco, os idosos devem levar o isolamento social a sério, já que a chance deles terem a forma mais grave da doença é alta caso sejam infectados pelo vírus. Por outro lado, o médico geriatra Rafael Rondineli Ceregatti alerta que o isolamento social exige muita atenção com a saúde da terceira idade. Isso porque, um idoso que fica sozinho em sua casa pode ter um declínio físico e cognitivo pela falta de estímulo. Por isso, é importante que todo idoso tenha um acompanhante durante a quarentena, e que essa pessoa tenha a consciência de tomar todos os cuidados devidos e sair o menos possível de casa para preservar a saúde de ambos.

O geriatra esclareceu que o envelhecimento diminui naturalmente a força e a massa muscular de um indivíduo, sendo que esse processo natural pode ser acelerado caso o idoso fique muito tempo sentado ou deitado, sem se exercitar. O resultado é que no final desse período de isolamento, o idoso poderá estar pior do que antes. “Quem já era debilitado, existe a possibilidade dessa pessoa funcionalmente já não conseguir fazer as coisas que fazia antes como ir ao mercado e voltar com suas sacolas de compras, por exemplo,”, pontuou Ceregatti.

Além disso, a falta de estímulo para o corpo pode fazer o idoso se sentir mais cansado para percorrer um caminho que até então era de costume e também existe um risco maior de quedas, lesões e de não conseguir mais subir um degrau e até mesmo levantar da cadeira. “Quanto menos é feito, mais se perde a funcionalidade”, frisou o médico que também disse que o grande desafio é conseguir oferecer ao idoso uma atividade física de manutenção. “Um idoso sozinho não vai conseguir se exercitar sem alguém por perto ou, então, sem a orientação de um profissional porque ele corre o risco de cair, de se machucar e fazer um movimento de forma errada que piore ainda mais uma condição que ele já tenha como uma artrose ou um desgaste articular”, explicou Ceregatti.

No entanto, o médico pontuou que se for pensar em prós e contras, o melhor é fazer do que não fazer, ou seja, se exercitar com o máximo de cuidados possíveis e com fontes seguras no caso de exercícios de internet. “Existem vários recursos à distância, onde fisioterapeutas e educadores físicos conseguem, por vídeo, monitorar o exercício que o idoso está fazendo. É lógico que não será igual ao presencial, mas é um recurso que pode ser utilizado para minimizar essas perdas de força, massa muscular e outras capacidades”. Vale lembrar que para isso, a maioria dos idosos vai precisar da ajuda de alguém por conta da tecnologia, já que a minoria consegue se virar sozinha com vídeos chamadas, por exemplo.

Na impossibilidade de ter o acompanhamento de um profissional, o médico geriatra orientou que uma atividade física básica pode, sim, ser feita dentro de casa com a ajuda da pessoa que está cuidando do idoso. “Pegue uma poltrona ou cadeira e coloque encostada na parede para ficar firme e faça o idoso, dê as mãos para ele de frente e faça ele se sentar e se levantar. A recomendação é fazer 10 movimentos, descansar e repetir a mesma série duas ou três vezes”, sugeriu o médico.

SAÚDE MENTAL

Interação e atividades também devem ser mantidas

Quanto à parte cognitiva dos idosos que é a memória, o raciocínio, a atenção, o cálculo, o planejamento e a execução de tarefas, o médico geriatra Rafael Rondineli Ceregatti afirmou que ela também precisa ser estimulada, ou seja, exercitada, para manter a terceira idade com a saúde mental em dia nesse período de quarentena. “Quando o idoso conversa, vai à igreja, interage com as pessoas ele fica mais atento ao ambiente. Ele exercite a capacidade dele de adequação, de estar dentro da conversa e conforme ele deixa de fazer isso ele vai declinando cognitivamente”, completou o geriatra.

Como nesse período, os idosos não devem sair de casa e devem manter distância social das pessoas, a orientação para dentro de casa é envolvê-lo nas atividades básicas do lar. “Faça ele cooperar nas tarefas domésticas para ele se sentir útil”. Outra dica para manter a pessoa idosa com a mente saudável é integra-la na família com telefonemas e vídeos chamadas. “É importante sempre perguntar como foi o dia dele e demonstrar interesse, além disso, é bom ter um momento de leitura e de assistir um filme, tudo para estimular o cérebro e se manter alegre”.

Quanto às notícias do novo coronavírus, o médico orienta que é importante expor ao idoso a gravidade do caso, até para que ele cumpra corretamente o isolamento social. Porém, depois, o assunto deve ser tratado de forma mais leve para poupar o emocional. Ceregatti ainda enfatizou que em hipótese alguma o idoso deve ser estimulado a sair de casa, pois o colocará em risco.

Previous post

Tome Nota da edição de sábado, dia 18

Next post

Negociação entre Sindiçu e Prefeitura emperra