Home»Cidade»Lar de Maria: crise afeta instituição, que pode fechar

Lar de Maria: crise afeta instituição, que pode fechar

Sem apoio da Prefeitura, por meio da Educação e Promoção Social, instituição deve encerrar atividades

0
Shares
Pinterest WhatsApp

O Lar de Maria, nas Chácaras Alvorada, está prestes a encerrar atividades, caso não obtenha ajuda financeira seja do Poder Público ou privado. Há dois anos, a instituição enfrenta a queda da principal receita que é proveniente do telemarketing e, com isto, a manutenção do serviço já começou a ficar difícil. A reserva do passivo trabalhista começou a ser usada para cobrir as despesas, mas já se esgotou. Caso não obtenha ajuda financeira, a instituição encerrará atividades ainda neste semestre.

Atualmente, a instituição atende 120 crianças de zero a seis anos em período integral (creche e pré-escola), 43 adolescentes e jovens (6 a 15 anos) no trabalho de convivência familiar e fortalecimento de vínculo, realizado diariamente no contra turnoescolar com aulas de natação, judô, música e grupos temáticos. Presta também assistência para 40 mulheres vítimas de violência doméstica. Há 48 funcionários, entre pedagoga, psicóloga, nutricionista e porteiros, sendo que a folha de pagamento gira em torno de R$ 108 mil.

De acordo com a gerente e professora do Lar de Maria, Leila Maria Ramos, 60% dos funcionários residem nas Chácaras Alvorada e os demais são de Mogi Mirim, Mogi Guaçu e Estiva Gerbi. A instituição fornece aos profissionais um vale-combustível porque o transporte público não possibilita a chegada ao trabalho no horário da jornada que têm que cumprir, seja na entrada ou saída do trabalho. “Temos fama de ricos porque temos quatro unidades e atendemos 1.380 crianças em quatro unidades”, disse. As outras quatro instituições ficam em Santo André (SP), onde têm subsídio das Secretarias de Educação e Promoção Social.

É este subsídio que buscam junto à Prefeitura local, através de ambas as Pastas diante do trabalho nas áreas de educação e promoção social. “Aqui, nunca tivemos parceria nenhuma. Estivemos no Gabinete, mas só falaram que não têm recurso e não podem gastar com trabalho que não existe até então nestas Pastas. E justificaram ainda que há impedimento do Ministério Público”, detalha Leila. Ela justifica que a instituição é declarada de utilidade pública, atende à LDB (Lei de Diretrizes e Bases) da Educação e, portanto, a Base Nacional Curricular. A única coisa que, segundo Leila, difere do ensino ofertado no município é que a instituição adotada o Método Montessoriano.

O único retorno obtido junto à Administração Municipal, segundo Leila, foi a promessa do adiantamento de R$ 58 mil provenientes das emendas impositivas dos vereadores, recurso que seria pago até o final deste ano. Ainda assim, Leila diz que precisa de ajuda para prosseguir. “Sem parceria, vamos fechar”, sinaliza comentando estar desesperada em ter de deixar de assistir a tantas pessoas. Diante da pandemia, a instituição já fez a redução de jornada e salários. E, como o recomendado, segue com os trabalhos na área educacional por vídeo.

EDUCAÇÃO

Sistema de ensino difere do ofertado pela rede municipal

Quanto à inclusão do Lar de Maria na rede pública municipal de ensino, a Secretaria Municipal de Educação informou que a OSC (Organização da Sociedade Civil) não participou do chamamento público. E adiantou que o sistema de ensino adotado pela instituição, de fato, difere do oferecido pela rede municipal de ensino.

Por sua vez, a diretoria do Lar de Maria relata não ter participado do chamamento público porque caberia assumir a demanda da creche municipal existente nas Chácaras Alvorada, ou seja, e não da clientela que já assiste na instituição.

A OSC adota o Método Montessori que parte do princípio de que todas as crianças têm a capacidade de aprender através de um processo que deve ser desenvolvido espontaneamente a partir das experiências efetuadas no ambiente. Para isso, o local deve estar organizado para proporcionar a manifestação dos interesses naturais da criança, estimulando a capacidade de aprender fazendo e a experimentação, respeitando fatores como tempo e ritmo, personalidade, liberdade e individualidade dos alunos.

 

RECURSOS

Prefeitura não ampliou concessão neste ano

De acordo com o informado pela assessoria de imprensa da Prefeitura, o Lar de Maria está inscrito no Conselho Municipal de Assistência Social desde 2018. A OSC- Organização da Sociedade Civil- encaminhou ofício para a Secretaria de Promoção Social em dezembro de 2019 solicitando a possibilidade de subvenção para 2020. No entanto, não houve ampliação de concessão este ano.

Por intermédio da assessoria, a Promoção Social informou ainda que a equipe estava se organizando para uma visita ao Lar de Maria e, a partir disso, se possível solicitar à Fazenda possibilidade de repasse. Todavia, com a pandemia a visita não pode ser realizada.

Este ano, a OSC foi contemplada com R$ 33.418,49 referentes ao repasse do Conselho Municipal da Criança e do Adolescente.

Previous post

Para educador, retorno poderia acontecer antes

Next post

Covid-19: ex-vereador morre em Itatiba