Home»Cidade»Mogi decide pela suspensão das atividades presenciais

Mogi decide pela suspensão das atividades presenciais

Decreto regulamenta suspensão das atividades educacionais presenciais nas redes pública e privada de Mogi Mirim

0
Shares
Pinterest WhatsApp

Da Redação

A Prefeitura anunciou nesta sexta-feira (11) a suspensão das atividades educacionais presenciais nas redes pública e privada de Mogi Mirim para o restante do ano letivo em 2020. A decisão é respaldada pelo decreto 8.237/20, válido para todas as escolas municipais, estaduais e particulares da cidade, além de instituições de ensino superior. As atividades presenciais também ficarão suspensas junto às organizações da sociedade civil que possuem Termo de Cooperação ou Fomento com o município. O decreto será publicado na edição deste sábado (12) do Jornal Oficial do Município.

Somando a educação infantil, ensino fundamental I e II e Educação de Jovens e Adultos (EJA), são 7.384 alunos matriculados em Escolas Municipais de Educação Básica (EMEBs) e outros 1.810 em Centros Educacionais Municipais de Primeira Infância (CEMPIs). O total é de 9.194 alunos atendidos pela rede municipal de Educação.

A medida teve parecer favorável da Comissão Técnica Municipal de Contingenciamento Covid-19, do Conselho Municipal de Educação e do Comitê de Monitoramento e Enfrentamento da Covid-19 junto à Secretaria de Educação.

Decisão

Diversos fatores pesaram para a decisão anunciada nesta sexta-feira, como o de que o retorno da forma presencial significaria a circulação de um terço da população da cidade, gerando significativo fluxo de pessoas e prejudicando o isolamento social necessário para o enfrentamento da doença.

Outro ponto levado em conta tem relação com os protocolos básicos de segurança sanitária, já que a utilização de máscaras, distanciamento social e medidas de higiene são insuficientes para a proteção dos estudantes e profissionais da Educação, especialmente na educação infantil e nos anos iniciais do ensino fundamental.

Nos últimos dias, a Secretaria de Educação promoveu uma consulta pública, exigida pelo artigo 3º da Resolução SEDUC e realizada junto às unidades educacionais municipais, estaduais e privadas, para avaliar a opinião quanto a um possível retorno das atividades presenciais. A consulta revelou que a maioria dos responsáveis pelos estudantes não desejam o retorno presencial das atividades.

 

O decreto ressalta também o fato que as crianças e adolescentes não possuem discernimento formado para precaução e tomada de todos os cuidados e restrições necessários para a não contaminação pelo coronavírus, podendo servir como vetores para contaminação de seus familiares e trabalhadores da área da Educação.

 

Virtuais

As unidades educacionais deverão manter as atividades virtuais e/ou impressas para os alunos de forma a minimizar prejuízo pedagógico aos estudantes. Na rede municipal, as atividades online são realizadas desde abril, semanas após o início da pandemia do coronavírus. Os estudantes estão recebendo conteúdo didático de forma virtual e/ou impresso e são devidamente acompanhados pelos educadores, com relação a participação, presença e entrega de atividades;

Os Centros Educacionais Municipais de Primeira Infância (CEMPIs) devem manter contato com as famílias, estabelecendo semanalmente, a manutenção dos vínculos com as crianças através das redes sociais. A Secretaria de Educação traçou estratégias de proximidade com as crianças em tempos de distanciamento, através da gravação de vídeos com conteúdo formado por histórias, dicas e brincadeiras. O acompanhamento é realizado semanalmente.

Previous post

PPA: Saúde garante médicos para o final de semana

Next post

Comerciantes pedem ação contra sujeira em canteiros