Home»Cidade»Morador reclama de trabalho parado há 70 dias pela SOV

Morador reclama de trabalho parado há 70 dias pela SOV

Roberto Martins está há mais de dois meses esperando pelo reparo na porta de sua casa

0
Shares
Pinterest WhatsApp

Há mais de dois meses, Roberto Afonso Martins aguarda por reparos na calçada e na pavimentação de trecho da Rua Fernão Dias Paes, na Vila Paraíso. No local, a SOV (Secretaria de Obras e Viação) fez a troca de trecho da tubulação de águas pluviais, mas a equipe não retornou para concluir o trabalho. Com isto, o aposentado enfrenta, além da poeira na porta de casa, a impossibilidade de fazer uso da garagem.

Segundo Martins, nestes dois meses já enfrentou várias situações por conta da vala que se abriu bem em frente à sua casa. “Um dia choveu e o meu carro caiu na vala, amassou e foi um sufoco pra colocar na garagem”, conta. Neste período, ele diz que pediu várias vezes para arrumarem ao menos a entrada da garagem. “Até este poste chegou a ficar inclinado e a empresa teve de arrumar”, recorda sobre outro problema observado por conta da valeta que levou parte da calçada.

Sem sucesso junto às solicitações na SOV, o aposentado pediu ajuda ao vereador Guilherme de Souza Campos, o Guilherme da Farmácia (Cidadania). Com isto, o vereador foi informado de que a Pasta está mesmo enfrentando dificuldades por causa do número de funcionários que estão afastados. “Tem muitos acima de 60 anos, que são do grupo de risco para o coronavírus. Por conta disso, eles não estão tendo mão de obra”, relata.

O secretário de Obras e Viação, Salvador Franceli, ratificou a informação e comentou que a Pasta está trabalhando com mão de obra reduzida por conta da pandemia que gerou o afastamento daqueles que têm mais de 60 anos. “Também tive um problema no Selma, além deste da Vila Paraíso, e vou tentar fazer na próxima semana”, detalha. Para tentar manter parte dos trabalhos, a equipe de pintura está sendo remanejada para outras funções.

Previous post

Reajuste vai parar na Justiça do Trabalho

Next post

Em silêncio, Corporação Musical “Marcos Vedovello” faz 100 anos