Home»Cidade»Prefeitura aguarda liberação de recursos para obras

Prefeitura aguarda liberação de recursos para obras

Bairros sofrem com sucessivos alagamentos há anos; Defesa Civil monitora as áreas de risco

0
Shares
Pinterest WhatsApp

Os moradores do Jardim Santa Terezinha I e Santa Cecília não cansam de cobrar ações da Prefeitura, principalmente após novo episódio em que suas casas foram alagadas. Há anos, eles contabilizam os prejuízos com o que já perderam por conta da água da chuva.

Desde o ano passado, os moradores aguardam o início das obras antienchentes prometidas pela Prefeitura. Até um empréstimo no valor de R$ 5 milhões foi aprovado pela Câmara em agosto do ano passado. Porém, a justificativa da Prefeitura é que a instituição financeira ainda não liberou o montante para o início das obras previstas.

No caso das obras antienchentes, o secretário de Obras e Viação, Salvador Franceli, disse aos moradores durante reunião na Câmara, no ano passado, que o custo seria em torno de R$ 800 mil. Apesar do valor não ser alto, ele afirmou que o município não teria condições de arcar com as despesas com recursos próprios.

Após o registro de novo alagamento no último domingo (12), a Prefeitura divulgou uma nota sobre o assunto afirmando que intensificou a atenção nas regiões atingidas pelas chuvas. Segundo a Secretaria de Comunicação Social, em virtude de 52 milímetros de chuva registrados na noite de domingo em Mogi Guaçu, a Prefeitura determinou ações incisivas para evitar danos aos moradores afetados por fortes tempestades.

Foi informado que a Defesa Civil também está empenhada na ação monitorando as áreas de risco. “Moradores do Santa Cecília e o Santa Terezinha sofrem nos períodos de chuvas intensas por causa do aspecto geográfico. É uma região muito plana e as galerias de águas pluviais colocadas na época da construção destes bairros não estão dando conta do acúmulo de água”.

Foi ressaltado que a solução do problema depende de investimentos maiores, “a exemplo do que já ocorreu no passado na Rua Chico de Paula, Avenida Bandeirantes, Jardim Zaniboni, Vila Leila e Praça Padre Armani. As tubulações destes locais foram ampliadas para propiciar a vazão da água”.

Segundo a Prefeitura, para os bairros da Zona Leste, a Defesa Civil está verificando ações que podem evitar os riscos de novos alagamentos. A prioridade é contra o acúmulo de lixo e de materiais que possam obstruir a passagem de água.

O texto é encerrado com a informação de que a “Prefeitura também está estudando obras emergenciais enquanto as grandes obras esperadas para a região do Santa Cecília e Santa Terezinha, como a troca de tubulação e a construção de galerias para águas da chuva, não acontecem, em função, até o momento, da não liberação dos recursos financiados pelo município”. (JD com informações da assessoria de imprensa da Prefeitura).

LEVANTAMENTO

Mogi Guaçu registra 160 milímetros de chuva

Da Redação

 Mogi Guaçu está em estado de observação por conta das chuvas dos últimos dias. Segundo boletim divulgado pela Defesa Civil de Mogi Guaçu, choveu pouco mais de 160 milímetros em 14 dias deste ano. Entre domingo (12) e segunda-feira (13) foi registrado um volume de 52,10 mm.

O volume total de chuva neste mês representa 66,35% do esperado para todo o mês de janeiro, considerando a média histórica dos últimos quatro anos, que é de 241,76 mm.

Segundo a Secretaria de Comunicação da Prefeitura, a Defesa Civil de Mogi Guaçu não foi acionada para atendimento de ocorrências em razão da chuva do final de semana. Porém, moradores do Jardim Santa Terezinha I e vereadores afirmaram que entraram em contato com a Secretaria de Obras, quando novos alagamentos foram registrados no bairro.

Após o registo, a Prefeitura informou que a cidade conta com uma força-tarefa municipal, que envolve a Defesa Civil e demais Secretarias da Prefeitura. “De forma integrada, a Prefeitura realiza durante o ano intervenções pontuais em locais necessários. Além de limpeza de bueiros e valas, é feito o desassoreamento de córregos, canais e rio de forma constante e preventiva”, trouxe trecho da nota.

Em caso de necessidade, a Defesa Civil pode ser contatada pelo telefone 199.

Previous post

"Não fomos priorizados", dizem moradores

Next post

Artigo: Canudos: A ponta do Iceberg!