Home»Caderno Multi»Psicóloga nunca gostou das idas frequentes ao salão de beleza

Psicóloga nunca gostou das idas frequentes ao salão de beleza

0
Shares
Pinterest WhatsApp

Quando questionada sobre o que a levou a assumir os fios brancos, a psicóloga Denise Rodrigues Silva, 41, é taxativa: “Sempre odiei perder tempo em salão de beleza”. E estas idas faziam parte da rotina quinzenal da profissional que começou a tingir os fios em casa logo que surgiram os primeiros branquinhos, aos 17 anos. E, agora, com 70% dos fios brancos, ela decidiu que era chegada a hora de libertar-se da tintura.

Com esta ideia, literalmente, na cabeça, Denise procurou pela sua cabeleireira de confiança porque queria saber como adotar os fios brancos de modo que não precisasse raspar o cabelo. “Foi quando ela me falou do platinado. E é isso o que estou fazendo”, diz pontuando que a mudança foi iniciada em janeiro deste ano. E, neste período, a psicóloga teve de fazer mechas apenas por três vezes.

O resultado positivo e a rapidez com que está chegando ao cabelo natural surpreenderam positivamente Denise. “Deixar de tingir facilitou muito”, frisa. A psicóloga sempre teve simpatia pelos fios grisalhos, mas observa que esta não é a visão de boa parte das mulheres. Isto porque, vez ou outra, durante a transição capilar sempre foi questionada se conseguiria chegar ao seu objetivo. “Perguntavam se conseguiria me olhar no espelho, se iria aguentar ver os fios brancos e não pintar”, detalha.

Mãe de dois filhos, com sete e quatro anos, o mais velho não gostou da mudança porque não queria ter “mãe-avó”. Denise encarou numa boa e explicou os motivos dos fios brancos e seria continuando sendo “mãe-mãe”, porém com cabelo diferente. O marido, por sua vez, não se opôs. Aliás, ela conta que um sempre respeitou e apoiou as escolhas do outro.

 

FOCO

Apesar de alguns questionamentos, Denise não esmoreceu. Manteve o foco. De janeiro até este mês, ela deu um corte e com mais dois, ela chegará ao resultado final: o cabelo natural. Como os fios brancos são mais rebeldes, a psicóloga está sempre atenta ao uso de produtos adequados como condicionador. E não abre mão da máscara que evita o tom amarelado, realçando o platinado dos fios. Com cabelos cacheados, a psicóloga relata que sempre teve os fios secos, então, sabe que cuidar da hidratação faz parte e não vai levá-la à mesma rotina do tingimento dos fios. Outro ponto positivo, segundo Denise, é que os cachos ficaram mais definidos e mais volumosos.

A transição capilar da psicóloga também já incentivou uma colega de trabalho a fazer o mesmo. E para quem deseja assumir os fios brancos, mas está indecisa ela sugere: “Não se preocupe com o que os outros vão achar”.

Previous post

HM contratará médicos para reabrir a UPA

Next post

UBSs e USFs: Retomada será gradual a partir de 5 de outubro