Home»Caderno Multi»Comportamento»Reciclagem: atitudes que fazem a diferença

Reciclagem: atitudes que fazem a diferença

0
Shares
Pinterest WhatsApp

Da Redação

O lixo é um problema sério. Estima-se que todos os anos os brasileiros joguem fora 79 milhões de toneladas de lixo. Porém, apenas 3% desse total é reciclado. Mas esse número poderia ser bem maior: ao menos 30% dos materiais que acabam nos aterros são lixos recicláveis que poderiam ser reaproveitados.

A reciclagem de lixo é, portanto, essencial para diminuir o impacto desses resíduos no meio ambiente. Além de aproveitar recursos naturais escassos, reciclar também usa menos energia, o que leva a uma menor queima de combustíveis fósseis e à redução dos gases de efeito estufa, ajudando a amenizar o aquecimento global.

A reciclagem é o processo em que há a transformação do resíduo sólido que não seria aproveitado, com mudanças em seus estados físico, físico-químico ou biológico, de modo a atribuir características ao resíduo para que ele se torne novamente matéria-prima ou produto, segundo a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS).

Entender o que é reciclagem é simples: trata-se de pegar algo que não tem mais utilidade e transformá-lo novamente em matéria-prima para que se forme um item igual ou sem relação com o anterior. Isso é feito de várias maneiras e vemos o resultado desse processo no nosso cotidiano.

Hoje em dia, com o aumento crescente na produção de resíduos e no lixo oceânico, a reciclagem é de extrema importância. Muitos países já tem essa preocupação, apoiam programas ambientais e, consequentemente, de reciclagem. No Brasil, de acordo com a associação sem fins lucrativos Cempre (Compromisso Empresarial para Reciclagem), o faturamento das cooperativas de catadores tem sido crescente nos últimos anos e houve ganhos de produtividade, mas ainda há muito por fazer.

RECICLAGEM

Cooper 3R realiza trabalho sério e competente

Por Igor Rodrigues

A Cooperativa de Catadores Cooper 3R realiza um trabalho importante de separação dos materiais em Mogi Guaçu. Todos os meses, toneladas de resíduos são recolhidos, passam por triagem e depois são vendidos, desta forma, geram renda para os catadores.

Plásticos são recolhidos diariamente, mas nem todo o material é reciclado, segundo a presidente da Cooperativa, Maria Aparecida Nascimento Vicente, a Cida. Ela explica que plásticos que rasgam fácil ou que são laminados não têm saída e isso dificulta o trabalho da associação. “Esses plásticos são ruins. Garrafas pet tem saída e saem com facilidade”, completou Cida.

Para Cida, um dos caminhos para melhorar a reciclagem é por meio da conscientização junto às empresas durante a escolha dos materiais, pois plásticos com pouca taxa de reciclagem têm aparecido em mais embalagens, como, por exemplo, as garrafas de leite. “A embalagem de papelão tem mais saída e a gente recicla com mais facilidade”, reforçou a presidente da Associação.

Maria Beatriz Vedovello Bimbati, coordenadora de projetos da Associação, afirmou que um dos caminhos para mudar o cenário é a educação ambiental. “Nós estamos próximos das escolas, e falamos com os professores e com os alunos”, afirmou.

Quem tiver interesse em separar os materiais recicláveis pode entrar em contato com a Cooper 3R. Uma equipe busca os resíduos nas residências. O telefone para o contato é o (19) 3831 6431e conferir a rota de coleta de recicláveis. Materiais, como bandejas de isopor, papelão, latas de metal, plástico duro, papelão e papéis estão entre os mais procurados.

INCENTIVO

Educação ambiental que fez a diferença

O estudante Gustavo Rodrigues, de 24 anos, conta que começou a separar os recicláveis ainda criança graças ao incentivo de professores que alertavam sobre a importância da reciclagem. Gustavo mora na Zona Rural de Mogi Guaçu e diz que tem uma rotina comum ao separar o reciclável. “Deixo uma bag bem grande onde separo tudo e no final do mês uma pessoa passa para buscar”, completou.

Muito se houve sobre as dificuldades de separar o lixo por conta da correria do dia a dia, mas o estudante é a prova de que, com disciplina e com um pouco de esforço, a prática acaba se tornando rotineira. “Deixamos uma caixa plástica perto da janela da cozinha, conforme lavamos já depositamos o plástico ali”, comentou.

O jovem garante que pequenas ações de educação ambiental fazem a diferença.

CENÁRIO

Brasil produz 79 milhões de toneladas de lixo por ano

Da Redação

Tudo que consumimos vira resíduo, o que não é orgânico é sólido e para onde vai tudo isso? O Brasil produz por ano, uma média, de 79 milhões toneladas de resíduos sólidos, sendo 11 milhões de toneladas só de plástico. Isso quer dizer 541 mil toneladas/dia, segundo a ONU Meio Ambiente.

Segundo o Banco Mundial, de todo o lixo produzido no Brasil 2,4 milhões de toneladas são de materiais plásticos e apenas 1,2% é reciclado e a outra parte muitas vezes fica na natureza.

A WWF (Fundo Mundial pela Natureza) aponta que o Brasil é o 4º país que mais produz plástico no mundo, ficando atrás apenas de Estados Unidos, China e Índia.

 

Praia

Se os dados sobre produção e descarte de plástico assustam, o mesmo acontece com o material que é encontrado no litoral brasileiro. O resíduo ocupa 95% dos materiais, sendo que 20% tem origem marítima, ou seja, com origem de rotinas de pesca submarina e cruzeiros, por exemplo. Os outros 80% são descartes feitos na própria praia, como informa o monitoramento feito pela IO-USP (Instituo de Oceanografia da Universidade de São Paulo) em parceria com a PlastiVida (Instituto Socioambiental dos Plástico).

A reciclagem do plástico é de extrema importância para o meio ambiente. Quando reciclado, estamos contribuindo com o meio ambiente, pois este material deixa de ir para os aterros sanitários ou para a natureza, poluindo rios, lagos, solo e matas.

DE SÃO PAULO

Canudos plásticos são proibidos no Estado

Desde julho de 2019 estabelecimentos comerciais em todo o Estado de São Paulo estão proibidos de disponibilizar canudos plásticos para os consumidores, buscando diminuir danos ambientais.

A lei 17.110/2019 foi assinada pelo governador João Dória após aprovação em plenário da Alesp (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo). O Procon (Programa de Proteção e Defesa do Consumidor) será o órgão responsável pela fiscalização da lei que deu aos comerciantes 120 dias para adaptação.

A lei

Com a lei, fica proibida a distribuição de canudos de plásticos em estabelecimentos comerciais como hotéis, bares, restaurantes, padarias, clubes, entre outros. A orientação é utilizar canudinhos confeccionados em papel reciclado, material comestível ou biodegradável.

Quem descumprir, a partir de fevereiro de 2020, será multado entre R$ 530,60 e R$ 5.306, no caso de reincidências.

A lei não proíbe a fabricação de canudos plástico no Estado, apenas a distribuição nos locais apontados. Metade do valor arrecadado com possíveis multas será destinado ao Fecop (Fundo Estadual de Prevenção e Controle da Poluição) e a outra parte ao Procon para aplicação em programas de educação, prevenção e fiscalização relacionados ao consumo sustentável.

O que posso reciclar: lixos recicláveis

Separe o lixo reciclável da sua casa de acordo com o tipo do material e, de preferência, limpe-o antes de colocar na lixeira. Veja abaixo alguns dos principais lixos recicláveis:

 

Papéis

Jornais, revistas, caixas de papelão, papéis de escritório, cadernos, livros, embalagens longa-vida, etc.

 

Plásticos

Garrafas de refrigerante, sacolas de supermercado, brinquedos, CDs, embalagens de produtos de limpeza, etc.

 

Vidros

Garrafas de bebidas, copos, potes de alimentos, vasilhames, etc.

 

Metais

Latas de refrigerante, latas de conservas e outros alimentos, tampas, embalagens de produtos congeladas, etc.

 

 

 

 

Previous post

Recapeamento das pistas é concluído; resta rotatória

Next post

Consumidor: o direito de troca e cancelamento de compra