Home»Opinião»Tome Nota da edição de sábado, dia 14

Tome Nota da edição de sábado, dia 14

0
Shares
Pinterest WhatsApp

Coerência

O ditado popular: um dia da caça outro do caçador resumiu bem a última sessão da Câmara. Os vereadores de situação tentaram aprovar em regime de urgência projeto do Executivo que altera artigo de lei já aprovada pelo Legislativo, mas não conseguiram. Os vereadores de oposição pediram os pareceres. Ou seja, assim como os vereadores de situação fizeram no episódio da votação do decreto legislativo que suspendia o aumento da tarifa. “É um direito nosso de não aceitar o regime de urgência e pedir o parecer jurídico da Casa”, informou o vereador Fabinho (PSDB) ainda durante a reunião com representantes da Prefeitura e da Caixa Econômica.

 

Líder

Oficialmente o prefeito Walter Caveanha (PTB) está sem líder na Câmara desde que o vereador Jéferson Luís (PROS) deixou o posto em 2018. Desde então, nenhum nome foi indicado para ocupar a função, mas o vereador Luciano Firmino Vieira, o Luciano da Saúde (PP), tem feito a vez do líder do prefeito, principalmente quando a Administração Municipal precisa de defesa durante as sessões da Câmara. Luciano da Saúde tem ido ao plenário e respondido alguns questionamentos feitos pelos vereadores de oposição e tem liderado as reuniões realizadas para discutir os projetos do Executivo.

 

Reajuste

Já está com o prefeito Walter Caveanha a pauta de reivindicações dos servidores. O presidente do Sindiçu, Valdomiro Sutério, o Miro, disse que o chefe do Executivo tem tempo hábil para decidir sobre o assunto antes do período eleitoral, principalmente porque a data-base da categoria é março. O reajuste pedido é de 5%, sendo a inflação do período de 3,92% sendo somadas as perdas do último ano. Além do reajuste dos salários, a direção do Sindiçu pediu também aumento do abono de R$ 100 para R$ 150 e o pagamento de, no mínimo, de 20 horas extras no mês. “Esses são os três pontos principais da nossa pauta”, comentou Miro.

 

Coronavírus

O avanço do novo coronavírus no país já tem alterado a rotina de muitas cidades, pois eventos estão sendo cancelados e estratégias para combater a doença estão sendo tratadas. Em Mogi Guaçu, não existe caso suspeito, mas as autoridades de saúde e o prefeito Walter Caveanha (PTB) estão em alerta. Tanto que dois eventos estão sendo revistos: a ExpoGuaçu e o desfile de aniversário da cidade, no dia 9 de abril. Conversas já aconteceram, mas a palavra final do chefe do Executivo deve ser dada na próxima semana. Em Mogi, o prefeito Carlos Nelson Bueno (PSDB) já confirmou o cancelamento dos eventos de grande público.

 

 

Previous post

Martinho Prado: Licitação emergencial agilizará passagem

Next post

Oposição barra votação sem parecer