Home»Opinião»Tome Nota da edição de sábado, dia 16

Tome Nota da edição de sábado, dia 16

0
Shares
Pinterest WhatsApp

Assediado

O vereador Carlos Kapa (Cidadania) foi a bola da vez durante a sessão da Câmara da última terça-feira (12), quando foi discutida a mudança na lei que autorizou o município a emprestar R$ 29 milhões. Ele foi assediado pela situação, inclusive recebeu uma ligação do prefeito Walter Caveanha (PTB), que pediu apoio na votação, e também pelos novos colegas de grupo: os da oposição. Teve conversa ao pé do ouvido até no minuto final antes da votação. Carlos Kapa votou com o grupo atual e deixou os colegas aliviados.

 

Sem força

A votação desta semana mostrou que o prefeito guaçuano não terá vida fácil até terminar o mandato. Até então, ele sempre teve a maioria na Câmara e todos os seus pedidos foram atendidos pela base. Agora, além de não ter a maioria para votar seus projetos, ainda tem que enfrentar os discursos inflamados dos vereadores oposicionistas. As reclamações são as mais diversas e o chefe do Executivo terá que rever seu posicionamento com a Câmara ou viverá um inferno astral até dezembro.

 

Não responde

A principal reclamação dos oposicionistas, e não é de hoje, é a falta de diálogo entre Executivo e Legislativo- aqui leia-se com os vereadores de oposição. Caveanha não responde a quase nenhum dos requerimentos enviados e pode enfrentar processo judicial, pois os prazos devem ser obedecidos. O presidente da Câmara, Rodrigo Falsetti (Cidadania), disse que os requerimentos estão sendo reiterados e que não irá mais aguardar pelas respostas. “O requerimento é uma prerrogativa do vereador e não responder é crime de responsabilidade por parte do Executivo”.

 

Bravo

Não chamem o secretário de Obras e Viação, Salvador Franceli, e os vereadores da oposição para um café. O secretário está muito bravo porque a mudança da lei não foi aprovada, o que pode impactar diretamente no andamento das principais obras de mobilidade urbana. Aliás, o Executivo já está sendo pressionado pelas empreiteiras, que dão mostra que podem paralisar os serviços se não houver uma confirmação rápida de que os recursos serão liberados. Ou seja, problemas à vista!

Previous post

Município recebe 3.100 testes rápidos

Next post

Família arrecadou alimentos e guloseimas