Home»Opinião»Tome Nota da edição de sábado, dia 4

Tome Nota da edição de sábado, dia 4

0
Shares
Pinterest WhatsApp

Campanha

Comerciantes da cidade se uniram e deram ‘corpo’ para a campanha #SaúdeeEmprego, que defende a reabertura do comércio com as medidas de segurança. Ao longo da semana, diversos foram os recados enviados diretamente ao prefeito Walter Caveanha (PTB), inclusive durante a transmissão feita do boletim da Covid-19, na última quarta-feira (1º). Na ocasião, o chefe do Executivo ressaltou a importância da parceria com a Associação Comercial, mas que, agora, é preciso salvar vidas. O discurso do prefeito não agradou os comerciantes que temem novo período de fechamento para as lojas.

 

Retirou

Fato é que os representantes da Associação Comercial se retiraram do COE (Comitê de Operações Emergenciais), durante reunião na última segunda-feira (29), quando foi decidido que o comércio permaneceria fechado por mais uma semana. No entendimento dos empresários, a Prefeitura não levou em conta nenhuma das sugestões levadas nas reuniões. Tudo já estava decidido e ponto. Para eles, falta diálogo e transparência por parte dos responsáveis pelo COE. Um péssimo momento para a Prefeitura perder parceiros e apoiadores, inclusive no projeto “Natal Luz”.

 

Conselho

Por falar em apoiadores, o vice-prefeito Daniel Rossi (PL) levou um puxão de orelha de um representante de partido que apoia sua pré-candidatura a prefeito. A avaliação é que, nesse momento, a Administração Municipal mais atrapalha do que ajuda. Exemplos não faltam, como a enxurrada de críticas por conta do valor elevado nas contas do Samae e também pelo mal-estar criado com os servidores por conta da exigência de novo atestado para quem pertence ao grupo de risco. Na opinião desse apoiador, Daniel Rossi precisa bater na mesa ou romper com o grupo de Caveanha.

 

Eleição

Com a definição do calendário eleitoral, partidos e pré-candidatos já podem fazer seus planejamentos visando o pleito, agora, em novembro. A pandemia deve ser um dificultador, mas o principal desafio será convencer o eleitorado quem é a melhor opção para a cidade. Mogi Guaçu corre o risco de bater o recorde no número de candidatos a prefeito, caso lá na frente não exista nenhum tipo de acordo. Enquanto algumas decisões são tomadas, há partidos mais adiantados, como é o caso do Podemos, que defende a pré-candidatura do Professor Edson Domingues. Em termos de organização, já saiu na frente.

 

 

 

Previous post

Reabertura comércio: prefeito bate martelo na segunda-feira

Next post

Artigo: Meu amigo Bolacha