Home»Artigos»Um final diferente depende de um novo começo

Um final diferente depende de um novo começo

0
Shares
Pinterest WhatsApp

Estamos exatamente há um ano de nossas próximas eleições municipais e uma vez mais nos deparamos com as articulações e rumores de pré-candidatos ao cargo de prefeito e de vereadores na nossa querida Mogi Guaçu.

Em passado recente tivemos a oportunidade de “renovar” e assim o fizemos, quebrando uma corrente de aproximadamente 30 anos de poder direcionado à duas famílias tradicionais de nossa cidade. Conseguimos mudar e poderíamos sim perseverar com esta mudança. Não entro no mérito de que “este” ou “aquele” seria o melhor, mas vivenciamos uma mudança com pontos positivos e outros nem tanto.

Na última eleição municipal, tivemos uma disputa acirrada para o cargo de Prefeito e o resultado, vivenciamos nestes três últimos anos e mais o próximo.  Em nossa Câmara Municipal, depositamos esperanças em 5 (cinco) novos vereadores que estavam assumindo pela primeira vez o cargo de representantes da população. Não vem ao caso, neste momento, mencionarmos se estão desenvolvendo ou não um bom trabalho, mas o que deve ser mensurado é que toda ação resulta uma reação, portanto devemos ir nos preparando, conhecendo, analisando e questionando quem serão os pré-candidatos para a eleição de 2016.

Tenho certeza que muitos estão com um pensamento contrário à nossa política, mas meu maior objetivo é despertar sim a conscientização de nossa comunidade para participarmos cada vez mais da situação política de nossa cidade, sabendo quem escolher para nos representar.

Em nossa Catequese Bíblico-Missionária do 26º Domingo do Tempo Comum, pudemos observar uma advertência de Jesus para com seus discípulos, que diz “aquele que pratica o bem atua a favor do projeto do Reino de Deus e, ao mesmo tempo, mostra aos discípulos a importância de valorizar os que agem com solidariedade, mesmo nos gestos mais simples, diante das necessidades do próximo” (Pe. Edvaldo M. de Araujo, C.Ss.R.).

 

Márcio Diniz é professor universitário e cidadão guaçuano

 

Previous post

Recape chega à Rua XV de Novembro

Next post

Editorial: Uma ‘janela’ para o céu ou inferno